Publicidade nas eleições

A publicidade e a propaganda transformam, fazem com que as pessoas acreditem, tenham esperança e formem sua opinião. Por isso a importância de utilizá-la sempre personalizando para cada tipo de cliente e para cada situação diferente.

Dentre as táticas da propaganda, criar frases de efeito ou “chavões” que os consumidores se identifiquem, passem a utilizá-lo e imediatamente o associem ao produto que se deseja vender, é o sucesso da propaganda comercial com foco na venda. O ideal é que o consumidor nem sequer cogite comparar o produto oferecido com os de seus concorrentes.

É notável o êxito quando o bom profissional em publicidade e propaganda desenvolve com afinco o trabalho, por exemplo: O carro maravilhoso de design arrojado, motor robusto e o melhor, parcelado em 60 vezes, resultado: Os carros estão nas garagens de milhares de pessoas. A boa publicidade, feita por profissionais, torna-se uma ferramenta que promove a empresa gerando lucro e visibilidade.

Como também sabemos, a propaganda não é exclusivamente usada em embates comerciais. Ela vem sendo usada durante séculos como uma poderosa ferramenta de influência e conquista do que se chama de “opinião pública”, e de manipulação de “massas”.

Hitler, em parte graças ao seu competente ministro da propaganda, Joseph Goebbels, conseguiu conquistar o coração e a mente do povo alemão, considerado bem educado e desenvolvido, através do uso bem orquestrado da propaganda política. As campanhas publicitárias nazistas guardam grande semelhança com certas campanhas publicitárias atuais.

Não se entenda aqui por publicidade como simplesmente anúncios de televisão ou rádio, mas sim estratégias e expedientes de promoção que usam de meios diversos, como artigos, notas, matérias de jornais, etc., que são formas mais sutis porém poderosas de convencimento.

Nas atuais eleições presidenciais norte americanas, foram gastos mais de US$ 1 bilhão (R$ 2 bilhões) em publicidade. Para a televisão, apenas US$ 700 milhões (R$ 1,4 bilhões) desse total foram investidos em campanhas publicitárias. Os candidatos Barack Obama e Mitt Romney  contam com a ajuda bem próxima de equipes que realizam pesquisas de intenção de votos e, a partir de estratégias eleitorais publicitárias, elaboram suas campanhas.