Marketing digital e redes sociais: o caminho é a combinação de funções

O marketing nas redes sociais ganhou a preferência das empresas por ser uma ferramenta de contato direto com o cliente, seguidor ou prospect, que possibilita interação e monitoramento em tempo real. No entanto, construir relacionamento nas redes sociais não é uma atividade simples, pois envolve um bom planejamento de conteúdo, disseminação, interação entre uma infinidade de outros aspectos igualmente relevantes para obter o sucesso esperado na web.

Uma análise recente das redes sociais em ascensão demonstrou que estratégias de marketing digital devem abusar da combinação “conteúdo + comunidade”, duas funções que embaralham as definições das principais plataformas sociais e aumentam o alcance das publicações na internet.

Atualmente, existem redes sociais para todos os gostos. Desde as mais populares, como Facebook e Twitter, às mais atrativas para a Geração Y, como Snapchat e Instagram, porém, em meio a tantas semelhanças e diferenças compartilhadas por todas essas plataformas, é possível dividi-las em duas categorias: redes sociais de conteúdo e redes sociais de contatos. Pode parecer simplista, mas essa divisão é importante para entender o cenário futuro do marketing digital.

YouTube e Tumblr são canais típicos de conteúdo. Funcionam como meios de transmissão de criações, uploads e audiência. São plataformas que estão se transformando em uma espécie de clube.

Já redes como Google+, LinkedIn e Twitter são locais nos quais as pessoas se conectam e interagem entre si, numa mistura de mensagens escritas, fotos, links e vídeos. Quando esses canais se juntam, publicações viralizam.

Claro que há uma exceção, o Facebook, rede social que depende de outras redes dos usuários para impulsionar o conteúdo nas timelines; a recente aquisição do Instagram e do Whatsapp pela plataforma de Mark Zuckenberg é a clara demonstração da necessidade de unir conteúdo e interação com os amigos.

O Twitter, que nasceu como uma rede social de contatos, acabou se tornando uma rede de conteúdo. Jornalistas, entusiastas e artistas editam e publicam conteúdo de formas criativas, reportam notícias quentes e, ainda por cima, contam uma história mais social. As marcas estão percebendo essa tendência e passaram a utilizar o microblog para responder questões dos consumidores. Esse é o poder da rede social de contatos para o marketing digital, aproximar o clientes.

Na direção oposta, o YouTube caminha para se tornar uma rede de contatos. Os assinantes dos diversos canais da plataforma acabam formando comunidades e isso é interessante para os anunciantes porque ali se concentra grande parte do conteúdo criativo, contudo, ainda paira a dúvida: um vídeo caro de dois minutos pode entregar um ROI robusto? A resposta é complexa. O Facebook tem sido capaz de gerar uma boa receita publicitária, o Twitter superou as expectativas dos investidores e o YouTube é o grande trunfo do Google, mas qual foram os acertos dessas três grandes redes sociais? Elas investiram no mobile, modalidade que não para de crescer e de gerar receita publicitária, mas talvez o grande indicador do futuro do marketing digital nas redes sociais esteja em plataformas como o Trip Advisor, que por sua funcionalidade tem conseguido de maneira eficaz aliar “conteúdo + comunidade” e tornar-se indispensável para seu público-alvo, internautas que desejam registrar momentos e locais visitados.